fbpx
Entrelinhas de Mulher

Eu me sinto amada quando…


Eu me sinto amada quando…

Saudações!
Se eu tivesse que me definir em uma palavra seria “buscadora”. Estou sempre em busca de uma melhor versão de mim mesma. Em busca de novos aprendizados. Na busca de aprimorar meus relacionamentos. Em busca de fortalecer minhas forças e de me desenvolver pelo acolhimento e compreensão das minhas limitações. Em busca do melhor de Deus, que sempre está por vir!
Talvez por esse espírito buscador que habita em mim ou talvez por uma mera percepção da necessidade, estou caminhando nas trilhas do coaching para crianças e famílias.
Percebia que, muitas vezes, os “problemas” das (e com as) crianças não estavam relacionados a transtornos, deficit nem tampouco traumas, assuntos os quais a psicologia é fundamental e absoluta.
Não haviam patologias nem problemas de fato. Existia a necessidade do aprimoramento da comunicação, do entendimento do mundo do outro, da escuta ativa e da possibilidade de uma convivência que gera cumplicidade e conhecimento mútuo. Existia a necessidade de um objetivo em comum pelo qual toda a família trabalha! Necessidades estas perfeitamente atendíveis pelo coaching.

O cerne da questão é o amor e suas diversas manifestações

Os pais amam, profundamente, seus filhos! Esforçam-se sobremaneira para propiciar o que há de melhor no mundo para eles! Sonham, em primeiro lugar, com a felicidade dos filhos, inclusive sendo prioritária as suas próprias. E ainda assim, existe frustração e solidão nas relações. Há um buraco, uma falta.
Como, onde sobra amor pode haver falta?
Imagine que você tem três flechas! Imagine também que você está vendado. Qual sua chance de acertar na mira?
Assim vem sendo algumas relações familiares! Os pais cheios de energia e afeto, miram vendados e passam longe do alvo: o coração dos filhos.

Fonte: Visual Hunt

Tirando a venda

Mas Dani, como assim vendada? Como tirar a venda?
A coisa é tão simples que beira a obviedade! Manifestamos amor baseado nas nossas experiências e percepções. “Cegos” ao mundo do outro, não validamos suas necessidades!
(E isso vale para todas as relações além daquelas que mantemos com os filhos!)
Alguns acham que o amor se manifesta nos presentes quando na verdade a criança quer presença!
Alguns acham que o amor se manifesta com um “eu te amo“ nas manhãs de domingo quando a criança quer que o pai se sente para desenhar com ela.

Fonte: Visual Hunt

Alguns acham que amor é levar a criança ao shopping quando a criança preferiria lavarem o carro juntos.
Você já ouviu falar nas linguagens do amor?

As cinco linguagens do amor*

Segundo Gary Chapman, há cinco linguagens universais do amor:

– Atitudes de Serviço – é aquele amor manifesto em um bolo de vó, no carinho da mãe que prepara o material escolar no começo de todo ano, do pai que faz uma casinha na árvore. O propósito é amar servindo!
– Palavras de Afirmação – é o amor manifesto no “eu te amo”, no “estou feliz com seu esforço”, no “estou orgulhoso que me contou a verdade”. O propósito é verbalizar o amor!
– Tempo de Qualidade – é o amor manifesto na doação integral de tempo. É estar presente nas atividades que realiza com o filho, sem celular, sem televisão ou qualquer outra distração. O propósito é estar presente em plenitude.
– Contato Físico – é o amor manifesto pelo contato físico. Vale beijo, abraço, cócegas, massagem nos pezinhos. O propósito é o amor pelo calor humano!
– Presentes – é o amor manifesto em matéria! Não tem relação com preço e sim com valor! O propósito é o reconhecimento e lembrança por meio de mimos.
Você sabe como seu filho se sente amado?

Desafio

Te convido a descobrir como seu filho se sente amado agora mesmo! Peça para ele(a) desenhar ou escrever situações nas quais ele se sente amado!
Se preferir, bata um papo com ele.
Pergunte que coisas bacanas que ele curte que façam juntos. Quando foi o dia mais legal da vida dele. Que programas ele gostaria de realizar contigo. Façam planos para as férias!
Aposto que você vai se surpreender com as respostas!
Outra forma de saber a linguagem de amor do seu filho é observando como ele manifesta amor. Ele abraça e beija muito? Ama te elogiar? Faz bilhetinhos e pequenos presentes? Chama você para brincar com ele? Ama te ajudar na cozinha?
Cabe mencionar que as linguagens do amor são interconectadas e plurais. Você pode verificar que seu filho, ou até mesmo você, pode ter mais uma linguagem. Não é uma ciência exata! É uma conversa de coração com coração!

Conversa com o coração

Aproveite este tempo de paz e amor e converse com o coração do seu filho. Preocupe-se menos com os presentes de Natal e se proponha a ouvir de que forma você pode estar mais presente na vida dele.
O melhor presente que recebemos da vida é o afeto, a convivência familiar, os abraços e a alegria de conviver! O melhor presente é o amor!

Fonte: Visual Hunt

Sigo contigo,
Dani

*Recomendo fortemente o livro as Cinco Linguagens do Amor para uma compreensão mais profunda da temática!

 

COMPARTILHE

ENVIE SEU COMENTÁRIO